Julho Amarelo: conscientização para combater hepatites virais

Postado em 1 de julho de 2022


Julho Amarelo: conscientização para combater hepatites virais 1

 

O mês de julho é destinado ao alerta à população sobre as hepatites virais, doenças associadas à cirrose hepática e ao câncer no fígado. O “Julho Amarelo”, como nacionalmente é conhecida, é a campanha para conscientizar sobre a necessidade de cuidados da população em relação às hepatites virais.

O Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais é lembrado dia 28 de julho

As hepatites virais mais comuns no Brasil são as do tipo A, B e C. O diagnóstico precoce favorece o início do tratamento, acessível a todos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“Houve redução do número de casos de hepatites notificados no Espírito Santo e no Brasil nos últimos dois anos. Essa diminuição é relacionada à diminuição na testagem da população pelas medidas de distanciamento social. Mas, nos últimos meses, com o retorno progressivo de ações de testagem e a flexibilização das medidas sanitárias adotadas durante a pandemia da Covid-19 percebemos um aumento no número de diagnósticos”, conta o médico infectologista da Secretaria da Saúde (Sesa), Marcello Leal.

Dados da Coordenação do Programa Estadual de Hepatites Virais da Sesa mostram que, de 1º de janeiro a 23 de junho deste ano, foram notificados quatro casos de Hepatite A; 122 casos do tipo B e 49 casos de hepatite C. Não foram registrados no período casos de hepatite D e E.

“Aos primeiros sintomas de hepatite, como mal-estar, náuseas, vômitos, urina escura e fezes claras, pele e olhos aparentando coloração amarelada, deve-se procurar uma unidade de saúde imediatamente para atendimento”, reforça Leal.

 

Identificação

A Hepatite A é diagnosticada em pacientes que apresentam mal-estar, vômitos, icterícia, urina escura e acolia fecal e o exame de sangue anti-HAV IgM reagente, indicando que a pessoa tem hepatite pelo vírus A.

Os testes rápidos para hepatites B e C são, sobretudo, indicados para diagnósticos em indivíduos com infecção crônica e assintomáticos, ou seja, podem estar com a doença, mas não tem conhecimento.

O tratamento para a hepatite B (doença que não possui cura) é o controle por meio de acompanhamento médico e medicamento para combater a multiplicação do vírus no fígado durante toda a vida. A hepatite D, de forma similar, com uso de medicamento por aproximadamente 1 ano.

A hepatite C é tratada com medicamento por cerca de 12 semanas, tendo chance de cura de 95%. Para a testagem é necessário coletar uma gota de sangue do dedo do paciente.

 

Vinte anos de Política Nacional de Hepatites Virais

Em 2022, o Programa Nacional para Prevenção e o Controle das Hepatites Virais (PNHV), do Ministério da Saúde completa 20 anos. Para este ano, seguindo a campanha da Organização Pan-Americana da Saúde, existe um plano de ações com o propósito de eliminar as hepatites virais do mundo até 2030. Veja aqui o site da campanha.

 

Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA)

A Sesa oferece apoio aos municípios por meio da disponibilização de testes rápidos e materiais educativos para ações de prevenção nas Unidades Básicas de Saúde e nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) de IST, Aids e Hepatites Virais distribuídos pelo Espírito Santo. Confira aqui a tabela com endereços.


Deixe sua Opinião:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !! Compartilhe